Business: Moacyr Alves abre o jogo e fala sobre o futuro dos esports no país

Nenhum comentário

Moacyr Alves Junior é uma das figuras mais importantes do país no segmento de games e esports atualmente. Foi um dos primeiros colaboradores da ESL Brasil; ele estava a frente da equipe quando o Brasil foi palco das finais da ESL Pro League Season 4.

O evento aconteceu em 2016, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. De acordo com a ESL, os três primeiros dias de evento renderam um total de 16 milhões de visualizações na época.

Hoje, Moacyr Alves é sócio da MX Studios e Diretor de Negócios da Talent Experts, que tem investido cada vez mais no mercado de games e esports, estando presente na produção de eventos como a Geek City – que aconteceu em Curitiba – e a GameCon, que será sediada em Brasília no próximo mês.

WhatsApp Image 2018-10-23 at 22.58.01 (1)
A Geek City reuniu o público geek e os fãs de games e esports em um evento que ficou pra história (Foto: Reprodução)

Além dos eventos, a Talent Experts também está por trás das imagens de diversas personalidades do cenário, como Felipe “brTT” Gonçalves,  Leo “ziGueira” Duarte e Nicolle “Cherrygumms” Merhy. Organizações como Vivo Keyd, INTZ e Black Dragons, também fazem parte do time de membros da agência.

O Multiverso+ entrevistou com exclusividade o empreendedor, que falou sobre o futuro do mercado de esportes eletrônicos no Brasil, o engajamento das empresas no cenário e mais; confira:

Multiverso+: 2019 será o ano para o Brasil mostrar a força dos Esports?

Moacyr Alves: Acredito que sim, será um ano sem copa sem olimpíada e sem eleição, as expectativas são pelo menos para nós aqui da Talent/UOL um dos melhores anos para o Esport no Brasil.

M+: Porque a audiência dos Esports se tornou tão importante para empresas em todo o mundo?

Moacyr Alves: Elas são a mais nova forma de mídia de massa, lembro-me dos números que via há 3 anos no esport quando comecei e agora são números bem diferentes e eles crescem muito, praticamente duplicam ou triplicam e o mais interessante de tudo isso é justamente que são números basicamente de internet, poucas empresas de televisão estão de fato apostando nesse mercado. Aqui no Brasil começamos com a ESPN, depois entrou a SporTV e agora conseguimos a Bandeirantes como nossa parceira para TV. Quando vi os números de assinantes deles eu me espantei, são mais de 30 milhões no Brasil.

Eles sabem que essa será a modalidade de esporte com mais audiência em pouco tempo, então todos estão de olho nesse novo mercado hoje.

Fora que para o espectador de esports existe algo além do próprio campeonato que é o conteúdo que vem antes e depois dele, que são as entrevistas, etc. e os próprios jogadores são criadores de conteúdo, coisa que em outra modalidade é difícil de ter com tanta frequência.

WhatsApp Image 2018-10-23 at 22.54.07 (1)
Moacyr ao lado de Celso Miranda durante a transmissão do CFS 2018 na Band Sports (Foto: Reprodução)

M+: Qual a importância das empresas que estão investindo no mercado saberem como falar com o público gamer?

Moacyr Alves: Se elas querem vender para esse público elas precisam saber falar a língua deles, não é simplesmente falar “meu produto é o melhor do mercado”, existe uma experiência embutida nisso, fora que o consumidor de esport é uma pessoa antenada, que pesquisa e que realmente quer algo bom para ela em matéria de custo benefício.

Veja as marcas de computadores gamers e veja o exemplo da Acer, essa é uma marca que realmente investe e está sempre antenada com seu público, hoje pelo menos no meu ponto de vista, é uma marca que sabe falar a língua dos gamers, eles estão em todos os aeroportos, estão praticamente nos melhores times e também fazem ações paralelas, você vai em qualquer grande magazine e tem lá uma área reservada sempre com alguém que entende do produto, isso pra mim é uma experiência, então só tenho elogios para eles.

acer-leagueoflegends-2016-xl_rmu1
Nos últimos dois Mundias de League of Legends, a Riot Games entrou com uma parceria ao lado da Acer, que cedeu todos os monitores usados durante a competição (Foto: Divulgação)

Temos outras marcas de computadores gamers, mas parece que eles lançaram e estão meio perdidos no que fazer, nessa hora é a falta de uma agência especializada de verdade nesse tipo de mídia, não adianta as empresas levarem para uma agência que não entenda fazer com que esse produto converse com seus consumidores. Posso citar inúmeras coisas que sinto falta de uma verdadeira campanha de marketing para essas empresas e muitas vezes passamos para as agências tudo como deveria ser e eles mudam tanto que acabam perdendo até mesmo a ideia inicial da campanha, as marcas devem entender, que, como eu havia dito ao invés de falar “o meu é o melhor que tem no mercado”, na verdade, a primeira coisa que um jogador gamer perguntará é o quanto poderoso é esse processador, essa placa de vídeo e etc. embutido nesse PC para que eu jogue o jogo “X”.

Ai você vê o vendedor completamente perdido em algo que ele deveria informar, tem inúmeras outras formas dessas marcas alcançarem esse público de forma mais interessante e mais direta.

M+: Quais são os riscos que o investidor tem que ficar atento ao empreender em Esports?

Moacyr Alves: Existe aqui uma verdade que incomoda um pouco, como o segmento é relativamente novo existe um certo encantamento por parte de muitas pessoas achando que o investimento nesse setor tem uma rentabilidade muito alta e em pouco tempo… isso não é verdade, as marcas no Brasil ainda estão entendendo isso (claro que está bem melhor do que a 2 anos atrás), mas ainda as marcas não endêmicas não entraram de cabeça nesse mundo e a resposta é muito simples: falta entrega.

Eu sempre falo em minhas palestras sobre esports a seguinte frase: “não prometa melancia e entregue laranja”, porque seu cliente vai se decepcionar. Muitas vezes é justamente isso que acontece e eu geralmente atribuo isso a duas questões básicas:

  • A relação budget x produção, onde o cliente pede muito com um valor muito baixo e isso é comum acontecer entre negócios novos e em esports;
  • Usar o mesmo método de outros tipos de entrega em esports, porque é completamente diferente o tipo de entrega que você tem que fazer para cada tipo de investimento.

Os modelos que temos hoje em dia são praticamente insustentáveis, mesmo tendo seu crescimento em ascendente constante. Deve-se ter muito cuidado com “fórmulas mirabolantes”, lembrando que “PowerPoint” aceita tudo, mas o que manda mesmo é a sua planilha de Excel (entradas x saídas).

Outro grande risco de investimento são os eventos de grande porte, porque esses precisam de muito dinheiro e de patrocinadores grandes e o retorno desse tipo de empreendimento é muito difícil. Acredito muito nos grandes eventos, mas acredito em eventos grandes onde empresas grandes paguem por isso, eu mesmo já presenciei um evento grande onde na mídia tudo era muito bonito, mas o prejuízo foi bem amargo para a empresa.

M+: Como ter retorno investindo neste segmento?

Moacyr Alves: Primeiramente procurar pessoas que entendam do mercado e que vivam exclusivamente de esports. Está cheio de “especialistas” que nada entendem ou entendem muito pouco, tem muita associação que só visa o interesse próprio e também nada entende desse setor, então para começar você deve fugir desse tipo de pessoa.

Nesse novo meio de audiência tem muito o que investir e o retorno é realmente a longo prazo, fora que você tem diversos tipos de investimento aos quais os mais comuns são:

  • Investimentos em times;
  • Investimentos em ligas;
  • Investimentos em eventos únicos.

Hoje em dia o mais rentável a curto prazo é o investimento em times, mas não se anime muito, você precisa de um time muito bom, porque como sempre falo “ninguém quer tirar foto do segundo colocado”. E se tem algo que impressiona em sobe e desce de times, são os times de esports, o time pode ganhar tudo em uma temporada e perder tudo na outra, nosso setor é realmente uma caixinha de surpresas.

Hoje o que você deve fazer para ter um retorno maior é se unir a alguém que tenha uma grande audiência ou uma empresa forte no setor de marketing. Nossa empresa mudou drasticamente quando nos unimos com o UOL, as oportunidades praticamente triplicaram depois dessa união e agora estamos também em fase final de negociação com a Rede Bandeirantes de TV, outro que unindo forças conosco teremos então um poder de fogo muito maior.

M+: Os esportes eletrônicos serão importantes para a economia do país no futuro?

Moacyr Alves: Não tenho dúvida alguma disso, só espero que nosso governo ou nenhuma associação maluca não atrapalhe essa evolução, porque de fato, o Brasil tem um futuro brilhante nesse segmento.

Temos times brasileiros nas melhores posições em Rainbow Six, CrossFire, Counter-Strike, entre muitos outros jogos, fora que temos a 3ª maior audiência do mundo nos esports, meu único receio é termos tudo isso e não darmos o devido valor que isso merece. Não é simples e nem barato manter um time ou um estúdio de esports no Brasil.

5b058e851e39c
Com a line-up formada só de brasileiros, a Team Liquid foi campeã mundial de Rainbow Six ao vencer as finais da 7ª temporada da Pro League (Foto: ESL)

Se ano que vem (2019) correr tudo correto como se deve, vamos decolar e muito nesse segmento no Brasil, hoje vemos times de futebol se mobilizando para ter times de esports, vemos empresas como a Submarino entrando nesse segmento e várias outras que podemos citar aqui acontecendo em 2018, um ano que sabemos bem não foi nada fácil para o nosso país, então imagina com tudo dando certo, acredito que será para se comemorar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.