Bumblebee: Crítica

O 6º live action de Transformers e o primeiro Spin-off vem como um presente nesse fim/início de ano.

Anúncios
Nenhum comentário

E aqui estamos nós, em 2019 e mais um longa metragem da extensa série de filmes dos bonecos dos anos 80. Agora com seu primeiro spin-off, Bumblebee vem como um presente de Natal. E, depois de decepcionantes filmes nessa longa jornada, esse filme é bom?

BEM O QUE SE PODE ESPERAR?

Bumblebee é um filme que cronologicamente dentro do universo cinematográfico de Transformes é um prequel: ele se passa no ano de 1987, e conta como o simpático robô amarelo vem para a Terra após a guerra em seu mundo natal começar a pender para o lado dos Decepticons, e como é seu contato com os humanos. E apesar dessa ser a melhor forma de fazer uma sinopse sem entregar nada, o filme quase não fala muito da guerra em si, e acaba por ser mais um longa de personagens do que um de combate de robôs gigantes, e ISSO faz do filme algo realmente diferente e bom em relação aos seus antecessores.

O filme em si tem faz mais o tipo Gigantes de Aço e Gigante de Ferro do que a onda “oh céus, o mundo vai acabar!” e “nossa, robôs gigantes! Vamos partir pra cima!” que todos o antecessores tinham. O filme trabalha muito mais a parte emocional e do elenco humano, e tem os robôs como um mecanismo para que a trama se desenvolva, mas sem tirar o foco da protagonista Charlie (Hailee Steinfeld), que é o grande ponto alto do longa inteiro. A relação entre ela e o Bee é extremamente divertida e até certo ponto emocionante, e como as coisas vão escalando até o conflito final (que por sinal é luta mais legal da franquia até agora) é natural e faz sentido. E isso deve ser levado em conta: esse é o primeiro filme live action de Transformers que o enredo faz sentido por si só, sem levar em conta toda a bagagem de anos de animações, HQ’s e jogos. O filme faz sentido sozinho, sendo coerente com a história que estava sendo contada, com ação na medida certa e com a dimensão do conflito final também fazendo sentido com todo o ambiente que o filme se passou. Não tem saídas milagrosas, não tem uma arma secreta que traz a vitória pros mochinhos, o que o filme apresenta, o filme usa para se fechar, o que faz dele O MELHOR TRANSFORMERS ATÉ AGORA.

Ele não se arrasta em tramas mirabolantes, e nem se diminui em um história desinteressante, é um filme divertido, empolgante e um pouco emocionante. Hailee Steinfeld entrega uma personagem milhares de vezes mais interessante que os personagens humanos dos outros filmes, e até o John Cena faz um militar mais coerente com o papel que um militar tem que representar quando uma força desconhecida aparece do nada no seu país.  Travis Knight (de animações indicadas ao Oscar como Coraline e Kubo e as Cordas Mágicas) fez um ótimo trabalho no filme, bem melhor que o recorrente Michael Bay, e entregou um filme que vale a pena assistir para relexar. Fica com um merecido 09/10 no grau de qualidade Multiverso+.

E você? O que você tem a dizer sobre o filme? Escreva nos comentários sua opinião, e siga o Multiverso + nas redes sociais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.