Dragon Ball Super – Broly: Crítica

Continuando no sucesso da volta do anime de Dragon Ball, Akira Toriyama lança mais um filme de sua maior obra.

Anúncios
Nenhum comentário

E sim, mais um filme de Dragon Ball é lançado! Sendo o 20º longa animado e o 3º do Dragon Ball Super, Broly apresenta a visão de Akira Toriyama de um dos mais icônicos vilões da franquia, o Lendário Super Saiyajin Broly.

PERA AÍ, MAS QUEM RAIOS É BROLY?broly_fury

Antes de entramos na crítica, uma breve recapitulação para você, caro leitor, que não sabe quem é Broly.

Apresentado pela primeira vez em 1993, Broly foi um personagem criado diretamente para o 11º filme da franquia (O Poder Invencível: Broly – O Lendário Super Saiyajin), sendo mostrado como um vilão descontrolado com uma capacidade destrutiva inimaginável e muito acima dos guerreiros Z, e um dos desafios mais complicados e desafiadores já criados para Goku e sua turma. Depois desse filme, o personagem Broly tornou-se extremamente popular entre os fãs da franquia, tendo como resultado estar presente na maioria dos jogos de Dragon Ball lançados desde 1994 (ao todo foram até agora 21 participações em jogos) e tendo mais dois filmes como antagonista dos guerreiros Z.

Dragon-Ball-Super-Broly Vegeta God.jpg

OK, E PORQUE AGORA TEM MAIS UM FILME DESSE PERSONAGEM?

Bem, a resposta é bem simples: essa é a primeira vez que Broly é escrito pelo criador de Dragon Ball. Em seu primeiro filme, Akira Toriyama não teve nenhuma participação criativa, tendo sido o diretor do filme, Takao Koyama, o idealizador do personagem. A importância desse filme é que, a partir de agora Broly faz parte da estória principal da franquia, e isso é muito significativo, pois trata-se do personagem até então não canônico de Dragon Ball que talvez seja o mais popular e querido pelos fãs.

Goku Blue DBS Broly.jpeg

ENTENDI, MAS E O FILME?

Bem agora vem a cereja do bolo. Nesta crítica terá dois posicionamentos: a avaliação do filme como filme e do filme dentro da franquia.

Começando com a avaliação do filme como uma obra isolada, ele surpreendentemente é um filme bom para mediano. Dragon Ball nunca teve filmes que tecnicamente fossem uma maravilha, sendo em grande parte vendidos em cima de nostalgia e no hype dos fãs, mas Broly consegue apresentar na primeira parte do filme um desenvolvimento muito interessante de trama e roteiro, apresentando informações que para os fãs agradam bastante e para quem não acompanha a franquia não ficar de fora da estória que está sendo contada. Essa primeira parte, para mim como crítico, é o que sustenta a qualidade do filme como filme. Os problemas do longa aparecem nas duas outras partes, pois do meio para o final o lado do fanservice cresce muito ao ponto de que determinadas falas dos personagens e certos personagens que aparecem, não tem muita explicação dentro do próprio filme, e aí que o lado do filme como parte de uma longa e extensa franquia acaba por se sobressair demais, e, um outro problema que aparece apenas na terceira parte do filme é o uso exagerado do som e o uso de CGI em determinados momentos da luta final. O filme fica desnecessariamente alto na terceira parte, eu achava que ia sair do cinema com dor de cabeça, e em certos momentos, talvez para passar a sensação de velocidade ou até mesmo como uma tentativa de trazer dinamismo para a luta, alguns personagem ficam em CGI e isso destoa muito do traço do desenho que a animação estava apresentando até aquele momento, que por sinal é um dos melhores traços que já fizeram para a franquia. O filme como filme ficaria com uma nota 06/10, pois apesar de 2/3 do filme presentarem problemas técnicos muito escancarados, a primeira parte é muito boa e os personagens que são apresentados são muito bem escritos dentro da estória.

Agora o filme como parte da franquia é maravilhoso. Ele aborda questões que os fãs  perguntam a muito tempo, e nos é apresentado um Broly que corrigi grande parte das críticas que sempre foram feitas ao personagem: o Broly de Akira Toriyama não é um brutamontes sem profundidade. É um personagem interessante, e que não é mal por ser mal ou completamente entregue a insanidade. Tem motivos plausíveis para seu descontrole, muito melhor do que o Broly de 1993, que era insano pois o Goku não parava de chorar na maternidade quando os dois nasceram (sim, é serio. Esse era o motivo original!). Como um filme da franquia, esse é de longe o melhor filme já feito de Dragon Ball, a luta é de tirar o fôlego, a adição que faz a estória é muito legal e consegue entregar todo o hype que os fãs depositaram no filme. Ficaria como um 09/10 dentro de todo o contexto da obra.

Bem por fim esse é um filme que os fãs de Dragon Ball, tanto os mais velhos quanto os mais novos, tem que ver. É realmente muito bom, empolgante demais, o coração chega a disparar no clímax do filme, e que finalmente introduz um dos mais queridos personagens da franquia de Toriyama ao cânone da estória de Son Goku. Fica com uma nota média de 7,5/10 na escala de qualidade Multiverso+.

E você? O que achou do filme? Deixe nos comentários sua opinião e siga o Multiverso+ nas redes sociais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.