Dota 2: A história do The International (parte 2)

Estamos a menos de 7 dias para o início do The International 2019. O maior torneio de Dota 2 está marcado para a próxima quinta-feira (15), ele é realizado desde 2011 e é considerado como um dos maiores eventos dos esports. Desse modo, o mundial é conhecido pelas suas grandes premiações e suas grandes histórias e confrontos.

Com o início cada vez mais próximo, a Multiverso+ preparou uma série de matérias especiais sobre o torneio. Começando pela sua história, relembrando seus campeões e as principais narrativas de cada edição. Confira aqui a parte 1.

2015 – Evil Geniuses

A equipe da EG supera os chineses da CDEC e conquista o TI5 – (Reprodução/Dotablast)

Em 2015 foi realizada a quinta edição do The International, o torneio ocorreu em Seattle, pelo quarto ano consecutivo, entre os dias 27 de julho e 2 de agosto. A campanha do Compendium resultou em uma premiação total de U$18,429,613, superando a do ano anterior. Além disso, essa foi a primeira edição a premiar todas as equipes qualificadas.

Para esta edição, o torneio voltou ao seu molde antigo, sendo dividido entre wild card, fase de grupos e playoffs. O número de equipes continuou em 16, mas, com apenas 10 convidadas. O formato das qualificatórias praticamente se manteve, onde as campeãs regionais iriam direto para a fase de grupos e as segundas colocadas disputariam 2 vagas no wild card.

Wild card:

Na fase de wild card, tivemos uma pequena amostra do que aconteceria na competição, dominancia dos times chineses. Uma vez que a CDEC Gaming, segunda colocada da China, não encontrou grandes dificuldades para conquistar uma das vagas. A coreana MVP Phoenix foi quem ficou com a última vaga depois de uma acirrada série contra a Vega Squadron.

Fase de grupos:

Grupo A: LGD Gaming 12-2Team Secret 11-3compLexity Gaming 9-5Cloud9 7-7, MVP Phoenix 5-9, Invictus Gaming 5-9, Fnatic 4-10 e Natus Vincere 3-11.

Grupo B: Evil Geniuses 10-4CDEC Gaming 9-5EHome 9-5Team Empire 7-7, Virtus.Pro 7-7, Vici Gaming 6-8, Newbee 6-8 e MVP Hot6ix 2-12.

Evento Principal:

Assim como na edição anterior, esta foi dominada pelos times chineses. A CDEC Gaming chegou na grande final após vencer todas as suas partidas no evento principal. A esperança ocidental era a equipe da Evil Geniuses, que chegou na final derrotando a também chinesa LGD. A equipe norte americana buscava revanche contra a CDEC que havia os derrubado para a chave dos perdedores.

Vale ressaltar ainda as fracas campanhas da Newbee e do super time da Secret. A campeã da edição passada foi superada pelos coreanos da MVP Phoenix, terminando nas últimas colocações. Enquanto o time de Puppey foi superado por uma desacreditada Virtus.Pro, ficando na modesta 7/8 colocação, resultado muito abaixo do esperado para a equipe.

A Evil Geniuses se apoiou no talento do jovem SumaiL, de 16 anos, e nas aberturas do veterano Universe durante toda a competição. A grande final não foi exceção e foi recheada de grandes jogadas, a mais marcante foi a “Batida ecoante de de 6 milhões”, que abriu caminho para a virada norte americana na última partida. Desse modo, Clinton “Fear”, Syed “SumaiL”, Saahil “UNiVeRsE”, Kurtis “Aui_2000” e Peter “ppd” conquistaram a quinta edição do The International e a premiação de U$6,634,661.

Após a grande final, ainda foi realizada uma apresentação surpresa do músico Deadmau5. O artista esteve presente na plateia durante o evento todo e conseguiu passar despercebido até a grande final.

2016 – Wings Gaming

Wings Gaming derrota Digital Chaos por 3-1 e conquista TI6 – (Reprodução/RedBull)

Após o TI5, a Valve organizou 4 torneios dos quais chamou de Major, sendo o The International o último. As Majors (Frankfurt, Xangai e Manila) serviram como critério para os seis convites diretos daquele ano. O torneio, mais uma vez, foi realizado em Seattle e ocorreu entre os dias 2 e 13 de agosto, a arrecadação do Compendium gerou uma premiação total de U$20,770,460, batendo o ano anterior.

O torneio se manteve no mesmo formato da edição anterior, sendo dividido em wild card, fase de grupos e playoffs. Dessa forma, dezesseis equipes partiparam da competição, 6 foram convidadas, 8 (2 por região) se qualificaram e 2 da fase de wild card.

Wild card:

A mudança mais relevante nesta edição foram as qualificatórias, onde duas equipes por região eram selecionadas e a terceira colocada iria para o wild card. Desse modo, EHome e Escape Gaming garantiram as duas últimas vagas. Mais uma vez o wild card dava uma pista de como seria o torneio, este ano ele seria totalmente imprevisível.

Fase de grupos:

Grupo A: OG 11-3Evil Geniuses 9-5Wings Gaming 8-6Alliance 8-6, TNC Pro Team 7-7, Natus Vincere 6-8, LGD Gaming 5-9 e Escape Gaming 2-12.

Grupo B: EHome 12-2Digital Chaos 11-3Newbee 8-6MVP Phoenix 6-8, Fnatic 5-9, Team Secret 5-9, Team Liquid 5-9 e Vici Gaming Reborn 4-10.

Playoffs:

A fase de grupos teve resultados surpreendentes, como Liquid e Secret tendo campanhas negativas e o dominio da Digital Chaos. Porém, isso se manteve nas fase eliminatórias com TNC eliminando a favorita OG e Secret terminando nas últimas colocações. Além disso, dois times que ninguém esperava, dominaram seus oponentes e chegaram na grande final.

Na primeira rodada da chave dos vencedores, a chinesa wings derrotou por 2-1 a Digital Chaos, depois disso não perdeu mais nenhum jogo até a final. Enquanto a Digital Chaos fez uma caminhada impecável pela chave dos perdedores, derrotando equipes como EHome e Evil Geniuses.

Pela segunda vez seguida, tinhamos uma final entre uma organização americana contra um time chines. Ambas as equipes tinham estilo distintos de jogar, a Wings contavam com um jogo de equipe e entrosamento perfeitos, já a DC apostava nos talentos individuais de W33 e Resolut1on. No fim Chu “Shadow”, Zhou “bLink”, Zhang “Faith_bian”, Zhang “y`” e Li “iceice” conquistaram o título e a premiação de U$9,139,002.

2017 – Team Liquid

Team Liquid aplica um sonoro e inédito 3-0 contra Newbee e leva o TI7 – (Reprodução/Valve)

Para 2017, a Valve continuou com seu calendário de torneios, desta vez com apenas 3 (Boston e Kiev) terminando com The International. O torneio foi realizado em Seattle pelo sexto ano seguido, entre os dias 2 e 12 de agosto. A camapanha de arrecadação do Compendium trouxe uma premiação total de U$24,787,916, ultrapassando o ano anterior.

O número de equipes subiu para dezoito, sendo seis convidadas e doze equipes vindas das qualificatórias (3 da China, 3 do sudeste asiático, 2 da América do Norte, 2 da Europa, 1 da CEI e 1 da América do Sul). Neste ano, houveram mudanças no formato, não existia mais o wild card e 2 equipes seriam eliminadas ao fim da fase de grupos, o restante se manteve igual a edição anterior.

Desse modo, tivemos a primeira equipe sul americana a participar do TI. A peruana Infamous conquistou a vaga depois de superar os brasileiro da SG por 3-0 na final da qualificatória.

Além disso, pela primeira vez a equipe campeã não voltaria para defender seu título. Devido a problemas de pagamento dos salários dos jogadores, a Wings perdeu sua equipe e não participou do TI7.

Fase de grupos:

Grupo A: Team Liquid 5-3-0LGD Gaming 5-2-1Evil Geniuses 3-5-0TNC Pro Team 2-5-1, Team Secret 1-5-2, Invictus Gaming Vitality 1-5-2, Team Empire 1-4-3, Infamous 1-3-4 e Fnatic 0-2-6.

Grupo B: LGD Forever Young 6-2-0Newbee 4-3-1Virtus.Pro 3-4-1Invictus Gaming 3-4-1, OG 2-5-1, Cloud9 2-2-4, Digital Chaos 2-2-4, Execration 0-5-3 e HellRaisers 0-1-7.

Playoffs:

A fase de grupos trouxe alguns resultados inesperados como o baixo rendimento de Secret e OG, porém, mostrou também como os times chineses estavam em forma. Contudo, os playoffs também guardavam surpresas, como EG e Secret serem eliminadas de maneira precoce. Além disso, mais uma vez a grande favorita OG passou longe da grande final, porém conseguiu sua vingança contra a TNC.

Depois de dominar os grupos, os chineses também dominaram os playoff, colocando 3 equipes no top 4. A Newbee se sobressaiu sobre suas compatriotas e chegou a grande final buscando o, ainda inédito, bicampeonato. Pela chave dos perdedores a europeia Liquid fez uma cansativa, porém, impecável campanha deixando para trás equipes como Secret, VP e LGD.

Esta foi a primeira final a terminar 3-0 na história do torneio. Os chineses da Newbee buscavam o sonhado bicampeonato, passaram pela chave dos vencedores, mas não contavam com o ímpeto e o talento de Miracle- e da Liquid. A equipe de Lasse “MATUMBAMAN”, Amer “Miracle-“, Ivan “MinD_ContRoL”, Maroun “GH” e Kuro “KuroKy” varreu as esperanças chinesas com 3 partidas executadas de maneira perfeita, conquistando o título e a premiação de U$10,862,683.

A Valve produziu um documentário reportando tudo da grande final, inclusive os bastidores das equipes. Confira aqui.

2018 – OG

OG derrota a PSG.LGD por 3-2 em uma série épica e conquista o TI8 – (Reprodução/RedBull)

Para 2018, a Valve anunciou profundas mudanças no seu calendário de torneios. Primeiramente, ela voltou a organizar apenas o The International e passou a patrocinar os torneios oficiais. Foram abolidos os convites diretos, agora as equipes deveriam acumular pontos através dos torneios oficiais, divididos em minors e major, nascia assim o DPC.

O torneio saiu de Seattle depois de seis anos seguidos e foi para Vancouver no Canadá, foi realizado entre os dias 15 e 25 de agosto. O número de equipes se manteve em 18, 8 vindos do DPC e 10 das qualificatórias regionais (3 América do Norte, 2 China, 2 sudeste asiático, 1 Europa, 1 CEI e 1 América do Sul). Quanto ao formato, o torneio se manteve da mesma forma que na edição anterior. A campanha de arrecadação do Compendiu gerou uma premiação total de U $25,532,177, batendo mais uma vez o ano anterior.

Foi a primeira vez que uma equipe brasileira se classificou para o The International. A paiN Gaming contava na época com o quarteto brasileiro William “hFn”, Otavio “tavo”, Danylo “Kingrd” e Heitor “Duster”. Além disso, estavam na equipe o romeno Aliwi “w33” e como coach Rasmus “MISERY”.

Fase de grupos:

Grupo A: Team Liquid 5-3-0Evil Geniuses 6-1-1PSG.LGD 4-3-1OG 3-3-2, Fnatic 1-5-2, VGJ.Thunder 2-2-4, Mineski 1-3-4, Winstrike 1-2-5 e Invictus Gaming 0-4-4.

Grupo B: VGJ.Storm 5-2-1Virtus.Pro 3-4-1Team Secret 2-4-2OpTic Gaming 3-2-3, Newbee 3-2-3, TNC Predator 2-3-3, Team Serenity 1-5-2, Vici Gaming 2-3-3 e paiN Gaming 0-5-3.

Playoffs:

Aqui começa o conto de fadas da OG e sua caminhada de Cinderella. A equipe perdeu seu capitão Tal “Fly” e seu offlaner s4 momentos antes do último torneio do DPC. Com isso a equipe precisou subir seu coach 7ckngMad para a offlane e chamar uma jogador desconhecido para a midlane. Dessa forma, conseguiram passar pelas qualificatórias e chegar ao TI, porém, muitos não acreditavam que passariam da fase de grupos.

Contudo, a equipe mais desacreditada da competição foi avançando pela chave dos vencedores, deixou para trás a VGJ.Thunder. Posteriormente, derrotaria a EG, o time que havia tirado seus jogadores meses antes, em uma emocionante série. Depois, derrotaria a grande potencia chinesa da PSG.LGD, com uma incrível virada na última partida. Dessa maneira, chegava na grande final o time em que quase ninguém mais acreditava.

Do outro lado, os chineses superaram os norte americanos da EG e estavam prontos para ter sua revanche. A grande final do TI8 é considerada, junto a do TI3, como a melhor de todos os tempos. Ambas ocorerram da mesma forma, série levada para o quinto jogo, com as duas equipes puxadas ao seu limite. De um lado a OG brigando para não virar abóbora, do outro a PSG.LGD querendo manter a alternancia de títulos.

No fim a equipe de Anathan “ana”, Topias “Topson”, Sébastien “7ckngMad”, Jesse “JerAx” e Johan “N0tail” tiveram seu final feliz. A equipe fechou a final em 3-2 conquistando o The International e a premiação de U$11,234,158.

Assim como no ano anterior, a Valve também produziu um documentário cobrindo a grande final. Confira aqui.

A RedBull, patrocinadora da organização, também produziu seu filme relatando o caminho da OG até o tão inesperado título. Confira aqui.

 

 

 

 

Comentários