2019: Indústria de animes teve menor crescimento em anos

Apesar de ainda estar crescendo, a indústria de animes já não está mais em expansão como antigamente; é o que aponta a Teikoku Databank.

Esse instituto é conhecido por divulgar os balanços de empresas em variados ramos da economia japonesa, e em um estudo divulgado no ultimo dia 12, na íntegra em japonês, referente a 2019, aponta-se a tendência de desaceleração no ritmo de aumento das receitas pelos estúdios de animação.

A indústria de animes nos últimos anos

Mesmo em desaceleração, algumas coisas se mantém. Afinal, o balanço positivo no crescimento de produções e receitas é algo constante desde 2011.

Isso também vale para a quantidade de animações produzidas pelos 273 estúdios analisados: pelo quinto ano consecutivo, houveram mais de 300 animações no período de um ano. Mesmo assim, o número de animes publicados desde 2017, quando houve um pico, têm diminuído progressivamente: 356 (2017), 340 (2018) e 332 (2019).

Apesar da redução relativamente pequena, ela é importante para apontar um cenário que poderá ser catastrófico no futuro da indústria.

Principais pontos do relatório

A renda total da indústria chegou a, aproximadamente, $2,3 bilhões de dólares sendo que, em média, cada empresa faturou $8,53 milhões de dólares. Dessa forma, os dados mostram a força desse ramo e como ele é grande no Japão, mesmo que indique o menor crescimento desde 2008.

Também é necessário destacar o crescimento de 3,7% nas terceirizações do setor, que foram necessárias para suprimir a alta demanda do setor, que consegue arranjar poucos profissionais qualificados no país. A receita gerada por essas terceirizações foi de 1,65 milhões de dólares. Destacando algumas das principais parcerias,  elas saíram principalmente da Netflix e dos estúdios chineses Tencent e Haoliners Animation League.

Houveram, também, duas falência no ano passado. Apesar de ser ruim,  é um resultado muito melhor que o ano anterior, quando houve 12 falências.

Foto com personagens femininas do anime Fragtime
Personagens do anime Fragtime, da Tear Studios, um dos estúdios que declararam falência em 2019. (Imagem: Reprodução)

O que esperar para o futuro?

De acordo com as previsões da Teikoku, os piores problemas que a indústria vai enfrentar têm relação com o déficit de mão de obra e a queda na produtividade total dos trabalhadores. Mas vai ser necessário ver como a pandemia da Covid-19 pode ter afetado esse cenário; há tanto previsões positivas quanto negativas. Assim, só saberemos dos resultados ano que vem.

E para ficar por dentro de todas as novidades de esports, jogosfilmes e séries, acompanhe o Multiverso+ nas redes sociais: FacebookInstagram e Twitter.

Leia também:

Mirai Nikki entra para o catálogo da Funimation Brasil

My Hero Academia – Ascensão dos Heróis estreia no Brasil

Netflix anuncia anime de Godzilla para 2021

Comentários