Jumanji – Próxima Fase: Crítica e um passeio no tempo

O primeiro filme de Jumanji é de 1995, sendo uma adaptação de um livro infantil de 1981 escrito por Chris Van Allsburg. O elenco contava com Robin Williams, Kirsten Dunst e Bonnie Hunt. No filme, Jumanji era um jogo de tabuleiro que prendeu um garoto por anos lá dentro. Isto até dois irmãos encontrarem o jogo e retomarem de onde ele havia parado. A cada jogada, algo da selva do jogo era transportado para o mundo real escalonando o caos até que o jogo fosse concluído. E, para a época, os efeitos especiais eram impressionantes, tanto os digitais quanto a maquiagem. Clique aqui para assistir o trailer.

A história é tão boa que gerou um spin-off versão espacial, o filme Zathura: Uma Aventura Espacial (2005). Mesma premissa, porém, ambientado no espaço ao invés da selva. E mais recentemente duas sequências do original.

A primeira continuação é de 2017, na qual Jumanji se adaptou de tabuleiro para videogame para continuar relevante e conquistar vítimas. Quatro jovens são sugados para o jogo e precisam zerar o jogo para sair.

O principal deste filme é o senso de identidade. Pela primeira vez, cada adolescente fica com a aparência e conhecimentos do avatar escolhido para jogar e isso é importante tanto para a história seguir devido às habilidades dos personagens como para trabalhar como os adolescentes se veem e como os outros os veem. Além disso, o filme mostra que podemos ser o que decidirmos e como para isso é importante apoio e parceria.

Jumanji – Próxima Fase: A Crítica

O filme estreou hoje (16) nos cinemas e é situado um ano após o anterior. Spencer está tendo problemas para aceitar sua vida e resolve consertar o jogo. Ele havia guardado secretamente as peças do console quebrado e quer voltar a ser o Dr. Bravestone. Mas isso não dá certo.

Os amigos logo descobrem que Spencer voltou para Jumanji e decidem retornar também para ajudá-lo. Porém, como o jogo está defeituoso, os jovens não conseguem definir seus avatares e Jumanji faz suas próprias escolhas. Nem todos os jovens entram no jogo, mas, para a equipe ficar completa, o avô de Spencer e seu amigo sim.

Imagina tentar explicar para o seu avô que vocês estão dentro de um videogame e você precisa das habilidades do personagem dele para sobreviver. Imaginou? É exatamente este o desespero de Martha e Fridge. Por outro lado, para o espectador há várias situações divertidas por isso.

Jumanji tem um novo desafio mais difícil e os avatares possuem novas habilidades e fraquezas. É muito interessante ver os mesmos atores que foram os avatares no filme anterior interpretando outras pessoas nestes corpos na continuação. Dwayne Johnson está um Danny DeVito perfeito! Jack Black novamente é um show a parte.

Vale o SPOILER de que há a possibilidade de troca de corpos durante o jogo. Pessoalmente acredito que tenham explorado pouco esta possibilidade, que poderia ter sido melhor aproveitada para momentos de comédia.

Mais uma vez os jovens passam por inseguranças em relação a suas identidades, porém isso fica em segundo plano. Os idosos roubam a cena entre tentar entender que estão em um jogo, aprender a usar suas habilidades e buscar resolver uma briga antiga. Algumas piadas com a velhice são meio forçadas, mas nada que prejudique o filme.

Assista o trailer aqui.

Filme 4 a caminho?

Ao final de Jumanji – Próxima Fase, não levante quando os créditos surgirem, pois há mais alguns minutos de filme que dão uma amostra do que será o próximo filme. Jumanji 4 já está em desenvolvimento e deve estrear em dezembro de 2021.

A sequência será quase um tributo aos velhos tempos, isto porque Jumanji está vindo para o mundo real. Ao que parece, até os avatares virão para o nosso mundo sendo eles e vão interagir com os jovens que os utilizaram nos filmes anteriores.

Comentários