The Old Guard – Crítica

“Imagina The Old Guard no cinema”

Foi a frase que a minha mãe soltou ao fim do filme.

Num misto de mistério e ação estonteante, The Old Guard entrega o necessário pro telespectador não ficar perdido. O objetivo é claro e satisfatório e o enredo trabalha em função dele. Em momento algum o filme tenta inventar a roda e isso é ótimo.

Mas e aí?

O filme conta a história de um grupo de pessoas que se tornaram imortais logo após “morrer” pela primeira vez. Como era de se esperar, isso não fica em segredo por muito tempo. Me admira que nada disso vazou no Twitter! O filme não perde tempo com os “porquês”, usando um artifício barato às vezes, e já te joga tudo o que você precisa saber pra curtir uma boa e velha violência fictícia.

Porradaria franca, apenas

A ação do filme é extremamente divertida de assistir, com cenas de luta impactante e tiroteios eletrizantes. É difícil não vibrar com cada tiro e soco devolvido pelos imortais do filme.

O tiroteio é tão preciso que parece que os personagens estão sendo controlados por algum pro player coreano e a dinâmica dos personagens, criada após séculos de convivência, é muito bem utilizada em diversos momentos do filme.

Mas se eles são imortais, por que devo me importar com eles?

Simples, eles não morrem, mas sentem dor, muita dor! O filme apresenta isso rápido através das lembranças dos personagens, que descrevem cenas de crueldade inimagináveis que A Velha Guarda teve que enfrentar.

Vale a pena assistir The Old Guard?

Se você está procurando por um filme de ação novo e/ou uma adaptação de quadrinhos bem feita, The Old Guard é uma ótima pedida. Não faz mais que a obrigação, mas faz o básico muito bem! Assistam e nos digam o que acharam!

Leia Também:

Ele está de volta! Liam Neeson retorna aos filmes de ação em trailer empolgante

The Umbrella Academy: Segunda Temporada – Crítica

Comentários