Esportsmaker: Uma empresa que chega para somar no cenário de esports

O ano de 2020 está sendo atípico. Já estamos vivendo um “novo normal”. E no meio de tanto caos gerado pela pandemia do COVID-19 (coronavírus) e a crise econômica brasileira, o mercado de games segue no sentido contrário a onda. A indústria dos jogos vem registrando números favoráveis desde o início da pandemia e de acordo com a revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios os empreendedores brasileiros confirmam o bom período, que foi tão favorecido pelas pessoas passarem mais tempo em casa devido ao isolamento social.

Este é um momento de oportunidades para empresas como a Esportsmaker, uma instituição criada com o objetivo de organizar competições de esports. Seu plano inicial de entrada no mercado era realizar torneios presenciais no Rio de Janeiro neste ano, mas em função da pandemia, projetos online foram implementados para ocorrer nesse momento em seu estúdio próprio, para atender às necessidades de diversas modalidades competitivas.

“Uma vez que não tínhamos condições de lançar o produto inicial (evento grande e presencial), nós lançamos outros produtos online que já faziam parte da estratégia da empresa, completando o portfólio da Esportsmaker,” afirma Leandro Silva.

A equipe do Multiverso+ realizou uma entrevista exclusiva com o CEO da Esportsmaker para entender um pouco mais sobre os obstáculos e vitórias da empresa em sua jornada para o sucesso.

Inspiração e motivação

A Esportsmaker chegou para fomentar a indústria dos esports com competições acessíveis para a comunidade gamer como um todo. A finalidade principal da empresa neste momento é se manter ativa realizando torneios online para auxiliar o mercado brasileiro a se manter aquecido, fortalecendo o cenário de esports.

“Queremos que o cenário cresça cada vez mais. Nós brincamos que somos ‘fazedores de esports’, por isso, o nome. Queremos transformar o ecossistema do esporte eletrônico aqui no Brasil.”, afirma o CEO da Esportsmaker, Leandro Silva.

Além disso, acrescentou que o vírus e o isolamento social pegaram todos de surpresa.

“Fomos impactados como todo mundo. Tivemos que reajustar o projeto. Queremos, obviamente, voltar posteriormente a antiga dinâmica da empresa com eventos presenciais. Mas, agora entendemos que isso não é possível.”

 

Campeonatos online

A Esportsmaker ganhou fama rápido e não precisou de muito. O EMKR Invitational, primeiro campeonato online de CS:GO, realizado em plena pandemia nos dias 26, 29 e 30 de agosto trazia uma premiação de R$ 35 mil. Este é um valor bem significativo para uma primeira edição da competição. Além disso, teve direito até a patrocínio de grandes empresas, como o Outback, e parceria com a Gamers Club e a Max Racer, marcas já bem estabelecidas no cenário gamer. O torneio contou inclusive com a participação de times de grande prestígio no cenário, como a BOOM e a FURIA feminina.

“Gostamos de produzir projetos inovadores. A expectativa é sempre grande. Queremos criar uma atmosfera impactante para quem nos acompanha”, completou Leandro.

Imagem de divulgação

Apostando na novidade

A empresa não parou por aí. A fim de aquecer ainda mais a competitividade no cenário brasileiro, anunciou em outubro o Spike Series. A competição de Valorant recebeu patrocínio das Óticas Carol e, assim como a competição de CS:GO, também contou com uma premiação alta. Dessa vez contudo com uma premiação total um pouco menor de R$ 15 mil, embora bem relevante para uma modalidade ainda muito recente no cenário competitivo. Ao todo foram 128 vagas abertas para a etapa classificatória, contudo, e o torneio recebeu mais que o esperado, com surpreendentes 144 inscrições.

“Foi um bom termômetro para a empresa. Porque conseguimos compreender que a Esportsmaker está sendo bem recebida pelo cenário e isso é ótimo. Pretendemos fazer outros mais para frente,” comentou o CEO da Esportsmaker.

Imagem de divulgação

Novidades em breve?

Questionado sobre a possibilidade de mais um evento ainda este ano, Leandro não descartou completamente a hipótese.

“Estamos estudando trazer mais um evento ainda este ano. Mas, não é 100% certo, então não quero prometer. Gostaríamos de fechar o ano com três eventos, seria demais. Contudo, precisamos ir com calma, ver se é possível. Todos os próximos passos serão desafiadores e as expectativas para 2021 são ainda melhores que em 2020”, completou.

Por isso, estamos ansiosos para saber como será o desenvolvimento da Esportsmaker para 2021.

E para ficar por dentro de todas as novidades de jogos, música, filmes e séries, acompanhe o Multiverso+ nas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Leia também:

Entrevista+: Conversamos com Hyko

Aurora: A Child’s Journey, jogo indie brasileiro, tem trailer lançado

Fire Angels vence Gaming Culture Girl Pwr

Comentários

Ana Schuch

Jornalista & Blogueira. Não foge de um bom filme, série ou um jogo da hora. Fã da Marvel e apaixonada por Tomb Raider <3