Emily em Paris: Crítica primeira temporada (Com spoiler)

Desde o anúncio da produção pela Netflix, Emily em Paris deixou o público da plataforma de streaming ansioso para o lançamento da nova série.

Criada e produzida por Darren Star, a série chama atenção principalmente pela premissa semelhante a outros trabalhos do produtor, como Sexy and de City e Younger.

A produção conta a história de Emily (Lily Collins), uma jovem publicitária dos Estados Unidos que, após a impossibilidade de sua chefe, recebe a proposta de trabalho em uma famosa empresa de marketing em Paris.

Sem a mínima noção do idioma e diante de uma cultura completamente diferente da sua, Emily precisa se adaptar ao novo ambiente e ainda lidar com sua rigorosa chefe Sylvie (Philippine Leroy-Beaulieu) e os novos colegas de trabalho.

Pontos positivos

Com 10 episódios com média de 27 minutos de duração, é uma série leve com o formato perfeito para maratonar. Seu enredo despretensioso e bem-humorado, e seus protagonistas carismáticos foram os principais elementos para deixar a série entre as 10 mais vistas da Netflix rapidamente.

As situações que Emily passa para tentar seguir em frente depois do término de seu namoro e lidar com o crush pelo seu vizinho Gabriel (Lucas Bravo), depois de descobrir que ele é o namorado de sua nova amiga Camille (Camille Razat), são divertidas e interessantes de acompanhar.

Outro ponto positivo é a relação com sua melhor amiga Mindy (Ashley Park), que é aquele tipo de amiga que faz você achar graça de sua própria desgraça, sempre fazendo piada das situações embaraçosas.

Pontos negativos

Para o público mais crítico talvez não seja a melhor opção de entretenimento. A história completamente clichê e cheia de estereótipos pode decepcionar, e em certos pontos, trazer até mesmo um desconforto para algumas pessoas.

O fato de Emily em todo tempo criticar a cultura e costumes locais e fazer o mínimo de esforço para aprender o idioma e se adaptar podem tornar a protagonista desagradável. A sua completa rejeição ao fato de que alguém possa não gostar dela e suas tentativas desesperadas de agradar a todos é outro aspecto que ajuda nessa percepção ruim da personagem.

Outro ponto que pode desapontar ao longo da série são os constantes desafios que surgem para a protagonista no trabalho. O que poderia ser um ponto forte para a série acaba se tornando maçante depois de algumas dezenas de situações em que Emily consegue resolver com alguma ideia mirabolante e genial, tirando totalmente a tensão da incerteza se ela conseguirá resolver o problema ou não.

Mas o ponto que mais causou críticas foi a representação completamente estereotipada dos parisienses, onde a grande maioria é representada como sendo extremamente grosseira, machista e preguiçosa.

Fica a dica de que a segunda temporada da série já está confirmada. E para ficar por dentro de todas as novidades de jogos, música, filmes e séries, acompanhe o Multiverso+ nas redes sociais: FacebookInstagram e Twitter.

Leia também:

Emily em Paris vai ganhar uma segunda temporada

Truth Seekers: Crítica da primeira temporada com spoilers

Crítica: O Gambito da Rainha – Sem spoilers

Comentários