What If…? (E se…?) – Crítica com spoilers | Multiverso+

What If…? (E se…?) – Crítica com spoilers

Pondere a questão: e se o MCU fizesse uma série animada? Bem, nós temos a resposta, e a Disney também: What If…? (E se…?), a série animada baseada na antiga série de quadrinhos Os contos do Vigia, chegou a sua conclusão nessa quarta feira (06/10), e o Multiverso+ traz para você a nossa avaliação da série.

Disney+/Divulgação

Antes de tudo: quem é esse tal de Vigia, e qual é desse E se…?

Uatu, o Vigia, é um personagem das antigas da Marvel, criado pelos geniais Stan Lee e Jack Kirby em 1963, na revista do Quarteto Fantástico #13.

Na verdade, apesar de ser chamado de o Vigia, existe mais de um Vigia no universo Marvel, sendo eles uma raça com poderes de nível divino, os Vigias tem a missão de observar e registrar a história de todo o universo, sem interferir (o que é o que o Uatu mais faz).

No MCU, os Vigias fizeram sua primeira aparição no filme dos Guardiões da Galáxia 2, como uma pequena participação junto com o Stan Lee durante o filme, e em uma cena pós-credito.

Mas, o Uatu em si só é apresentado pela primeira vez aqui na série What If…?, como o narrador de histórias separadas nos diversos universos da Marvel, mas com certas relações com os filmes que compõem o MCU. E isso é importante ressaltar: na série What If…? Vemos apenas histórias relacionadas ao MCU, sem qualquer relação direta às HQ’s.

Pô, maneiro. Então nenhuma das histórias tem conexão entre si?

Bem, no princípio sim. A única conexão entre histórias é o próprio Uatu, que está sempre observando os diversos universos, e literalmente apresentando para o espectador o momento em que as histórias que estão sendo apresentadas se diferenciam das histórias dos filmes.

Esses momentos em si estão explícitos no título de cada capítulo, não sendo assim um spoiler do que está por vir.

Na sequência, os episódios são:

E se… a Capitã Carter fosse a Primeira Vingadora?

E se… T’Challa fosse o Senhor das Estrelas?

E se… o mundo perdesse seus heróis mais poderosos?

E se… o Doutor Estranho perdesse seu coração em vês de suas mãos?

E se… Zombies!?

E se… Killmonger resgatasse Tony Stark?

E se… Thor fosse filho único?

E se… Ultron vencesse?

E se… O Vigia quebrasse seu juramento?

O primeiro episódio vem com um diferencial bem claro quanto ao filme que se deriva, Capitão América 1, e ele expõe de uma maneira muito boa como serão os modelos episódicos dessa série: começa com o Vigia apresentando uma situação do filme original, e ele apresenta o momento de divergência. Depois desse momento em que o E se… acontece, a história é guiada pelos personagens em si, com o Uatu aparecendo pontualmente só observando.

Disney+/Divulgação

Até o episódio 3, quando os Vingadores são mortos por um Hank Pim que perdeu a sua filha devido a uma missão da Shield, a presença do Uatu é igual a de uma espectador, não tem nenhuma interação entre o Vigia e quem ele está observando.

Porém, a primeira grande virada da série vem no episódio 4, quando o Doutor Estranho, após absorver uma quantidade enorme de poder, consegue perceber a presença do Vigia, até que nos momentos derradeiros de seu universo, ele clama pela ajuda do Uatu, que se nega devido ao juramento de nunca interferir.

Disney+/Divulgação

Depois desse momento, fica claro que Uatu não é só um narrador, ele também é um personagem. Um personagem que inclusive se indaga sobre o juramento de não interferência, pois em determinadas histórias, o desfecho é muito trágico.

Por exemplo, no episódio 5 a Terra é tomada por uma pandemia Zumbi por causa de um vírus que foi trazido do Universo Quântico, referente aos eventos de Homem Formiga e a Vespa. E a pandemia é tão implacável que até o Thanos é transformado em zumbi no final!

Disney+/Divulgação

É interessante ver que, quando o Uatu passa de apenas narrador para personagem, o desfecho dos episódios são muito trágicos ou dramáticos, e mesmo no episódio 7 que é muito cômico, mas que termina com um gancho para o episódio 8, com o Ultron alternativo aparecendo no universo do Thor.

Ah! Então é no episódio 7 que as histórias começam a se conectar?

Sim caro leitor(a). Mas apenas como um gancho.

É no episódio 8 em que as conexões começam a ser definidas. No episódio E se… Ultron vencesse?, somos apresentados a uma situação em que os Vingadores não conseguem roubar o Visão do Ultron, e o robô assassino consegue transferir a sua inteligência para o corpo de vibrânio do Visão.

Essa pequena diferença acarreta não apenas na derrota da Terra, mas na derrota de todo aquele universo. Após terminar de conquistar a Terra, Thanos aparece para tomar a jóia do Ultron, mas o robô facilmente derrota o titã louco e toma para si todas as jóias. Ultron então parte para o universo exterminando todas as espécies biológicas.

A importância desse episódio para a série em si é mostrar o quanto o Ultron é perigoso, e o quanto ele se tornou poderoso, ao ponto de conseguir sentir a presença do Vigia, e lutar de igual para igual contra Uatu.

O episódio 8 é o momento em que as histórias convergem, pois o personagem alternativo desse episódio Ultron vira uma ameaça a todas as outras histórias alternativas. Culminando no episódio 9, quando Uatu chama Capitã Carter, T’Challa, Doutor Estranho, Killmonger, Thor e Gamora para juntos conseguirem impedir o Ultron.

Disney+/Divulgação

Entendi. Então é por isso que o último episódio se chama  E se… O Vigia quebrasse seu juramento?

Sim. Pois no último episódio ele tem que interferir para salvar o Multiverso.

O desfecho da série é interessante porque ele serve para transformar a série em uma história interligada. Porque até os últimos segundos do episódio 7, What If…? estava sendo uma antologia tal qual a série Star Wars: Visions.

Essa conexão serve para poder interligar tudo, assim como o MCU é todo interligado, e dar a todas as histórias uma razão delas terem sido contadas para o resultado final.

Mas isso não quer dizer que todos os episódios foram bem contados…

Como assim?

Bem, apesar de terem certa conexão, o tom em que a história é contada de episódio a episódio varia muito.

Enquanto temos eps como E se… a Capitã Carter fosse a Primeira Vingadora? e E se… Killmonger resgatasse Tony Stark? que possuem um tom muito característico de filmes de ação, eps como E se… o Doutor Estranho perdesse seu coração em vês de suas mãos?, E se… Zombies!? e E se… Ultron vencesse? possuem uma carga dramática muito grande que os distanciam bastante dos outros episódios.

É claro, você pode argumentar que sendo uma história que conta sobre universos diferentes, é normal que o tom varie, mas não é isso que acontece. What If…? Fica entre 3 gêneros cinematográficos: Ação, Drama e Infantil. E é muito claro quando um episódio se encaixa em um desses 3.

Não há muita sutileza quando a história é apresentada, e isso não incomodaria se todas as histórias fossem boas. Dentre os 9 episódios, os episódios 2 e 7 são de longe os mais fracos em sua narrativa. São os episódios com um tom mais infantil, o que por si só não é um problema, mas como destoa tanto das outras histórias acaba que no fim se tornam histórias menos interessantes.

É importante falar que não é porque uma história tem um tom infantil que ela é ruim, e a própria Disney tá aí para provar isso. Mas o problema é quando o roteiro trata o espectador como burro. E isso acontece nesses dois episódios.

Disney+/Divulgação

Entendi. E os outros eps?

Bem, os episódios 1, 3, 5 e 9 são episódios bons. São histórias que entregam uma versão muito interessante de se ver, com desfechos muito bons e coerentes com o que estava sendo contado e com os filmes de onde derivam. Só uma menção ao 9° episódio, em que a união dos heróis é muito boa, mas que a Gamora vem do nada para compor o grupo. É a única personagem que não foi previamente apresentada.

Já os eps 4, 6 e 8 são excelentes, e facilmente dariam para serem longametragens interessantíssimos. Um Doutor Estranho corrompido pela morte da amada, um Killmonger que manipula Wakanda e Stark se tornando o Pantera Negra e um Ultron que vence todo o Universo são as melhores coisas que o What If…? apresentou.

Assim sendo, acho justo dar notas separadas para cada episódio, afinal a qualidade delas varia bastante quanto a narrativa. A animação em si é muito boa em todas, o que não é nada menos do que se esperar da Disney/Marvel.

E se… a Capitã Carter fosse a Primeira Vingadora? (7,5/10)

E se… T’Challa fosse o Senhor das Estrelas? (6,0/10)

E se… o mundo perdesse seus heróis mais poderosos? (7,0/10)

E se… o Doutor Estranho perdesse seu coração em vês de suas mãos? (9,0/10)

E se… Zombies!? (7,0/10)

E se… Killmonger resgatasse Tony Stark? (8,5/10)

E se… Thor fosse filho único? (5,0/10)

E se… Ultron vencesse? (8,0/10)

E se… O Vigia quebrasse seu juramento? (7,5/10)

E a série What If…? em si fica com uma nota 7,0/10 na escala de qualidade do Multiverso+. Animação boa, mas os roteiros variam muito de qualidade de episódio para episódio.

E então, o que você achou de What If…? Pondere a questão, e responda nos comentários a sua opinião. E para mais notícias sobre cinema e séries, siga o Multiverso+ nas redes sociais.

Facebook

Instagram

Twitter

 

Netflix: Confira todas as novidades do evento Tudum

CCXP Worlds 21 anuncia credenciais para 4 e 5 de dezembro

Emmy 2021: Confira os vencedores da noite principal

Comentários

Um historiador por profissão, que ama cinema e televisão e escreve por diversão.

Gustavo Nunes

Um historiador por profissão, que ama cinema e televisão e escreve por diversão.