DreamHack Open Rio: Bida não vê favoritismo da FURIA na final e aponta que torcida pode fazer a diferença a favor dos brasileiros

Narrador consagrado no cenário de esports, Bernardo “BiDa” conversou* com o Multiverso+ sobre o campeonato de CS:GO da DreamHack Rio, que chega ao fim hoje, com a FURIA, única equipe brasileira viva na competição, garantida na grande final.

Leia mais: DreamHack Open Rio: “Espero pegar a AVANGAR na final”, afirma yuurih

Então Bida, nós começamos o evento com um pé atrás por causa dos cancelamentos e tudo mais. Você acredita que o campeonato de CS, que se manteve, está se saindo bem?

O primeiro dia de competição foi cheio de problemas, com diversos atrasos e imprevistos acontecendo, coisas que quem já participou de organização de eventos sabe que acontece, mas geralmente é assim mesmo, no primeiro dia acaba acontecendo vários problemas e no segundo já está tudo resolvido, o que não foi diferente aqui no Rio. Ontem (sábado), a DreamHack correu muito rápido, inclusive muito mais rápido do que esperávamos, já que foram antecipadas umas quatro horas de evento e hoje (domingo), dia da final, está tudo ocorrendo perfeitamente.

Muito se falou nas redes sociais sobre as fotos do último jogo, na sexta-feira. Você acredita que isso impactou um pouco os jogadores ou você acredita que o público que veio até aqui hoje, para apoiar a FURIA, pode mudar isso?

Eu acho que pode ter afetado outras pessoas de virem para o evento, porque pegaram uma foto em um momento realmente inoportuno, já que era final de dia, um dia cheio de atrasos, então dava para entender que o público estava frustrado porque não conseguiram ver o que eles queriam, que era assistir as partidas na hora certa, teve até um jogo que não conseguiu ser transmitido e tudo mais, então isso faz com que o público tenha que ir embora mais cedo, até mesmo também pela localização do evento, que acaba sendo um pouco longe de onde eles (o público) moram e tudo mais.

Foto do primeiro dia de DreamHack Rio que se espalhou pelas redes sociais (Roque Marques)

Para os jogadores, não afeta. Eu acho que eles ficaram chateados por não ter ocorrido tudo certo aqui no Brasil né, principalmente os jogadores brasileiros que queriam ter a experiência cem por cento, de “cabo a rabo”. Mas todo mundo que veio jogar conseguiu sentir um pouco do calor da torcida, foi um evento bem íntimo assim, os jogadores saíram, conseguiram tirar fotos/trocar uma ideia com os torcedores, que foram todos bem atendidos. Por causa disso, eu acredito que o que aconteceu não afetou o psicológico e nem o foco dos jogadores em si.

Para finalizar, a FURIA vem de uma ótima campanha, sendo um dos times brasileiros de CS que mais vem orgulhando sua torcida. Você acredita que a final vai ser pegada ou será um pouco leve para a FURIA como em outros campeonatos?

Não, vai ser pegada, não tem jeito. Eu acho que a FURIA não vem como favorita para a final, independente de passar AVANGAR ou Valiance, eu acredito que a FURIA terá que correr atrás do resultado na final. Eu acho que a torcida pode ser um fator decisivo no confronto, mas a pressão para vencer em casa, a “vontade de comparecer”, tudo vai passar na cabeça dos jogadores brasileiros, que vão ter que ter muita resiliência para lidar com uma partida que vai ser muito decisiva para eles.

A grande final será transmitida ao vivo em português no canal oficial da DreamHack. O confronto está marcado para às 17h (horário de Brasília).

*Entrevista por: Caio Borges

Comentários
+ posts