Dia das Crianças: 10 jogos protagonizados por elas

Quem nunca achou demais a presença das crianças nos games? Às vezes a própria presença desse elemento ajudava as coisas a ficarem um pouco mais divertidas e menos sérias. Por isso, a presença das crianças sempre foi algo muito bem-vindo, ainda mais no Dia das Crianças.

Inspirados na matéria do 16 Bits da Depressão, nós do Multiverso+ resolvemos elencar mais 10 jogos protagonizados por crianças que merecem ser lembrados no dia de hoje – nosso querido Dia das Crianças. Bora conferir!

  • The Longing (Uma Sombra)

    Imagem mostrando a Sombra, sozinha em um quarto
    Imagem: GamersPack

Lançado este ano (2020) e em pleno momento da expansão do coronavírus (início de março), o game se tornou famoso pela sua proposta um tanto inovadora, um tanto assustadora. Tendo a ideia de ser um game de idle (espera) e aponta-e-clica, o jogo conta a história da Sombra, que deve esperar o despertar de seu rei daqui a 400 dias no tempo fora das telas.

Assim, mesmo quem começou a jogar no dia que o jogo foi lançado, ainda não conseguiu finalizar o game. Ele acompanha a figura da Sombra, meio infantilizada e ao mesmo tempo matura por conseguir conviver com a dificuldade de estar sozinho embaixo da terra.

  • Yo-Kai Watch (Nate/Katie)

    Imagem com os protagonistas de Yokai Watch, Nate e Katie, e vários yokai
    Imagem: Divulgação

Nada melhor que escolher um dos jogos de maior sucesso no Japão: Yo-Kai Watch. Apesar do sucesso modesto fora de terras nipônicas, o jogo de 2013 ainda é lembrado pela sua mecânica diferenciada dos concorrentes, como Digimon e Pokémon. Também ficou marcado por se tornar um dos games mais vendidos para o 3DS no Japão, passando de um milhão de cópias.

A história centra-se em Nate ou Katie, dependendo da escolha que o jogador fizer ao montar o personagem, e é um RPG dinâmico baseado numa mecânica de roda da fortuna. É possível coletar mais de 150 youkais para ajudar o protagonista em sua jornada. O game também se diferencia por ter uma mecânica de exploração que se expande conforme as versões mais atualizadas saíram.

  • Little Inferno (Protagonista sem nome)

    Imagem mostrando o personagem principal, sem nome, de Little Inferno
    Imagem: Reprodução/Giant Bomb

Na época de seu lançamento, Little Inferno causou um estardalhaço por sua premissa diferente para os games sandbox. Enquanto alguns elogiaram a forma como a história e a gameplay eram simples e divertidas, outros criticaram-nas dizendo que eram simples até demais.

A verdade é que mesmo 8 anos após seu lançamento, o game ainda conserva certo ar de atualidade, e o elemento da criança é indispensável pra narrativa dele. Assim, aqui o sem-nome aparece não como tentativa de tornar a narrativa mais leve, mas sim como tentativa de sensibilizar o público.

  • Scribblenauts (Maxwell)

    Imagem mostrando Maxwell e sua versão feminina, de Scribblenauts
    Imagem: Reprodução

Escreva qualquer coisa, resolva tudo”: essa frase resume bem o objetivo do jogo. Scribblenauts centra-se em Maxwell e seu caderno mágico que transforma palavras em coisas. Esse jogo foi um grande sucesso desde antes de seu lançamento, por causa de sua conceitualização.

Lançado originalmente para DS, o game hoje é uma franquia presente em variadas plataformas e famosa pela sua ideia original que se destaca entre os jogos de sandbox. 

  • Mario & Luigi: Partners in Time (Baby Mario/Baby Luigi)

    Imagem com Mario e Luigi, e suas versões como criança
    Imagem: Victor Carozzi

Esse jogo é muito interessante por colocar as versões criança (“Baby”) de Mario e Luigi como personagens jogáveis, apesar de não ser um dos mais famosos do bigodudo italiano. É, assim como o predecessor Mario & Luigi: Superstar Saga, um jogo de puzzle e aventura divertidíssimo.

Por mais que seja um jogo esquecido e muitas vezes deixado de lado, ele destaca-se por seu elemento de diferenciação dentro da franquia da Nintendo.

  • Kingdom Hearts (Sora)

    Imagem mostrando Sora, protagonista de Kingdom Hearts
    Imagem: Reprodução

Uma das franquias mais famosas da SquareEnix (na época, Squaresoft) tem como protagonista uma criança de 14 anos. Kingdom Hearts é um RPG de ação que segue a história de Sora, que tem que transitar entre variados mundos de personagens da Disney após seu próprio mundo ser engolido pela escuridão.

Apesar de Sora crescer conforme o passar dos jogos, é inegável que no primeiro game da série sua aparência é como de criança. Inclusive, justamente por isso, a história tende a tomar um rumo mais próximo do que foi a intenção do jogo; algo lúdico para conviver junto com os personagens da Disney.

  • Backyard Sports (Jogadores)

Imagem mostrando todos os personagens jogáveis de Backyard Baseball
Imagem: todos os personagens presentes nessa imagem são jogáveis, e todos são crianças. (Reprodução)

Apesar de não ter sido uma série de grande fama no Brasil, Backyard Sports foi desenvolvida entre o final da década de 90 e o início dos anos 2000. Ela tem como protagonista diversas crianças que são opções para integrar times de beisebol, basquete, futebol, dentre outros esportes de time.

O jogo também continha algumas personalidades do esporte que eram retratadas de forma infantil, alá Turma da Mônica. O game tambem é lembrado pela variedade entre os personagens e pelas mecânicas divertidas que permitiam o jogo não ser fácil demais. Também pelo personagem Pablo Sanchez.

  • Donkey Kong Country 2: Diddy’s Kong Quest (Diddy Kong/Dixie Kong)

    Imagem com Diddy Kong e Dixie Kong, ambos personagens jogáveis
    Imagem: Divulgação

Lançado em 1995 como sequência de Donkey Kong Country, agora Diddy Kong é quem toma as rédeas e deve salvar Donkey Kong. Rool, Diddy e sua namorada, Dixie, vão até Crocodile Isle para salvar Donkey, capturado pelo King K. Os jovens passam por diversas aventuras.

Por melhorar alguns aspectos do game predecessor, colocam este jogo como um dos melhores melhores jogos de plataforma 2D da história, tanto pela história quanto pelos gráficos e pela divertibilidade do game. Por isso, Diddy Kong se tornou um dos personagens mais amados da Nintendo após ele.

  • Zombies Ate My Neighbors (Zeke/Julie)

    Na imagem, Zeke e Julie, protagonistas de Zombies Ate My Neighbors
    Imagem: Reprodução

Hoje em dia um dos games mais clássicos no estilo Arcade, Zombies Ate My Neighbors tem como protagonistas dois adolescentes: Zeke e Julie. O objetivo do game é salvar os vizinhos de serem mortos por uma variedade de monstros referenciados dos filmes de terror, como zumbis, múmias e aliens.

O game é famoso pela referência constantes aos antigos filmes de horror e terror através tanto de música, quanto cenários e inimigos. Apesar de não ter sido um jogo famoso na época do seu lançamento, hoje o game chama atenção pela sua habilidade de reinvenção e por ter resistido ao tempo com seu estilo único.

  • Ice Climbers (Popo/Nana)

    Imagem mostrando Popo e Nana no Super Smash Bros
    Imagem: Reprodução

Protagonizado pelos irmãos Popo e Nana, Ice Climbers acabou se tornando uma série mais famosa a posteriori. Lançada em 1993, seu sucesso foi modesto. Mas as duas crianças ficaram para a história e apareceram novamente em games como Super Smash Bros.

O jogo em que os irmãos apareceram era um game de plataforma vertical. Apesar da mecânica não ser complexa, o jogo guarda certo ar de inocência que seria transmitido no design dos games futuros em que Popo e Nana apareceriam.

Fique por dentro de todas as novidades de jogos, música, filmes e séries, acompanhe o Multiverso+ nas redes sociais: FacebookInstagram e Twitter.

Leia também:

Genshin Impact: game é o segundo mais baixado dos EUA

Terminam hoje as inscrições para a BGS Cosplay Outback

Cyberpunk 2077: Keanu Reeves estrela novo comercial

 

Comentários