Mais que Especiais: Conversamos com o diretor sobre o filme | Multiverso+

Mais que Especiais: Conversamos com o diretor sobre o filme

O filme Mais que Especiais está participando do Festival Varilux de Cinema Francês 2020 e nós do Multiverso+ participamos da coletiva de imprensa com um de seus diretores, Oliver Nakache.

O diretor comentou sobre o tempo das gravações, pois todos os personagens autistas possuíam de fato o transtorno, a exceção de um.

Com eles tudo é mais lento e tudo são pequenas vitórias e devemos lutar por essas pequenas vitórias. Toda filmagem é complicada e nós nos demos ao luxo do tempo para imersão mesmo dos técnicos e dos atores. Todos os jovens em cena são autistas. O único que não é o Valentin (Marco Locatelli)”, disse Nakache. “Porque encontramos eles e vivemos um pouco com eles ficamos sensíveis ao assunto. Por isso tem uma certa relação com Intocáveis , mas em Mais que Especiais vamos mais a fundo.

Locatelli teve que participar de algumas cenas muito fortes que os médicos recomendaram que os autistas não participassem. O jovem ainda não tinha iniciado sua carreira como ator, mas possui um irmão mais novo que é autista e, por conta disso, quis participar do projeto para entender melhor o irmão e assim nos ofereceu esse grande personagem. O jovem usou o irmão como inspiração para dar vida a seu personagem Valentin.

O enfoque do filme

Nós optamos por filmar nos verdadeiros cenários, que não são os lugares mais felizes do mundo, mas trouxe um colorido a mais para a história. Junto a gente vai mais longe. O objetivo é cuidar dos mais vulneráveis e a gente ficava maluco de saber que os poderes públicos não ajudam ou ajudam mal. Eles mereciam um pouco de luz. Bruno e Malik trabalham para aliviar as crianças e têm fés diferentes, mas isso não impede nada. O coletivo é que carrega eles e acho que é o que vai nos tirar do problema em que estamos,” explicou Nakache sobre o objetivo do filme.

Mais que Especiais
Os diretores Erik Toledano e Oliver Nakache conversando com Vincent Cassel. (Imagem: Divulgação

O cineasta completou afirmando que não possuem um objetivo didático educativo com o filme, mas que ele e seu parceiro de direção Erik Toledano gostam de “colocar uma mensagem no bolso dos espectadores para que eles olhem depois, se quiserem”. A dupla gosta de divertir e emocionar o público, mas se conseguir que ele leve para casa algo além é ainda melhor.

Este é um filme militante que pode ajudar certas pessoas. E o longa traz a França como ela é ao mostrar a diversidade e sua mistura de culturas. Pois isso faz parte da história do país e das migrações sucessivas. O filme está próximo do documentário, mas também possui um aspecto de romance.

Mais que Especiais é dirigido pela dupla Erik Toledano e Oliver Nakache, que já trabalharam juntos em Intocáveis e Samba. No elenco do longa estão os atores Vicente Casell, Reta Kateb e Hélène Vincent, entre outros.

 

Mais que Especiais: Sinopse

Há​ 20 anos, Bruno (Vicente Casell) e Malik (Reta Kateb) vivem num mundo à parte, aquele habitado pelas crianças e adolescentes autistas. Trabalhando cada um em uma instituição diferente, eles se dedicam à formação de jovens vindos de bairros problemáticos para tentar lidar com esses casos considerados “super-complexos”. Uma aliança pouco usual para personalidades fora do comum.

E para ficar por dentro de todas as novidades de jogos, música, filmes e séries, acompanhe o Multiverso+ nas redes sociais: FacebookInstagram e Twitter.

Comentários

Formada em Comunicação Social pela UFRJ.
Pode me chamar de Cla ou Clari.
Estou sempre de olho no mundo dos esports para trazer o melhor conteúdo para vocês.
E adoro maratonar séries e filmes nas horas vagas! Então podem esperar algumas críticas de produtos audiovisuais bem mainstream por aqui também.

Clarissa Montalvão

Formada em Comunicação Social pela UFRJ. Pode me chamar de Cla ou Clari. Estou sempre de olho no mundo dos esports para trazer o melhor conteúdo para vocês. E adoro maratonar séries e filmes nas horas vagas! Então podem esperar algumas críticas de produtos audiovisuais bem mainstream por aqui também.