CBLOL: Croc acusa RENSGA de não cumprir contrato | Multiverso+

CBLOL: Croc acusa RENSGA de não cumprir contrato

Na noite desta quarta-feira (15), Croc, caçador da RENSGA durante a Segunda Etapa do CBLOL, foi as redes sociais alegando que a organização não cumpriu os valores firmados em seu contrato.  A equipe foi finalista do campeonato e virou o “xodó” dos fãs de League of Legends por conta de seu carisma nas redes sociais.

Em um TwitLonger (que pode ser lido neste link), Croc revelou que recebia entre 60% e 70%  do valor acordado em sua contratação enquanto jogava pela RENSGA. Intitulada de “por favor, sejam legais com imports“, a publicação do caçador ainda afirma que a situação também teria acontecido com o mid laner Yuri.

Ainda de acordo com o jogador, os dois sul-coreanos ainda tiveram problemas ao tentar deixar o Brasil: além de ambos pagarem um teste para COVID-19 com o próprio dinheiro, Croc e Yuri não conseguiram embarcar no avião para Coréia do Sul, apesar de seguirem os horários estabelecidos pela organização.

O caçador ainda escreveu que após o imprevisto a RENSGA teria oferecido a opção de os jogadores continuarem no país por mais um mês, morando na gaming house da equipe para que o time comprasse novas passagens. Ainda segundo Croc, a organização disse que os jogadores poderiam acelerar seu retorno para a Coréia, mas comprando suas próprias passagens.

Posicionamento da RENSGA

Ao ser questionada pelo Multiverso+, a organização respondeu com a seguinte nota:

“A Rensga BitPreço esclarece que as informações divulgadas pelo jogador sul-coreano Jong Hoon Park “Croc” em seu perfil do Twitter não condizem com a realidade.

Os dois jogadores receberam da organização os bilhetes para retornarem à Coreia nesta quarta-feira (15) e não conseguiram embarcar. Mesmo tendo chegado ao aeroporto dentro de um horário permitido pela companhia aérea, os dois sul-coreanos – e mais 15 passageiros – não procederam ao voo.

Neste momento, o jogador “Croc” exaltou-se e precisou, inclusive, ser contido. Em seguida, expôs situações inverídicas em seu perfil do Twitter.

A Rensga BitPreço, portanto, tem total segurança em afirmar que todas as cláusulas contratuais – inclusive os débitos financeiros – foram cumpridas com os jogadores. A organização não se eximirá de apoiar os dois estrangeiros até que consigam retornar ao seu país de origem.”

Outros casos

Não seria a primeira vez que uma organização brasileira deixa de pagar jogadores estrangeiros. Após a Primeira Etapa do CBLOL 2020, antes da implantação do sistema de franquias, a Redemption Porto Alegre foi denunciada pelos sul-coreanos BalKhan Patrick por terem atrasado cerca de R$ 65 mil de salários.

Reven (mais conhecido como FLAnalista), ex-coach do Flamengo Esports, aproveitou o momento e se posicionou sobre o assunto compartilhando a publicação de Croc. O coach deu a entender que algo parecido aconteceu com ele enquanto trabalhava pela equipe rubro-negra, confira:

E para ficar por dentro de todas as novidades de jogos, música, filmes e séries, acompanhe o Multiverso+ nas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Leia também:

Masters Berlin: KRÜ Esports elimina a Vivo Keyd e avança para os playoffs

CS:GO: Gabs anuncia saída do competitivo

LBFF 2021: Equipes suspensas por manipulação

Comentários

Pindamonhangabense, sonserino, filho de Hades, baterista e futuro jornalista.

"O poder do vento está sob o seu comando" - Janna

João Pedro Ribeiro

Pindamonhangabense, sonserino, filho de Hades, baterista e futuro jornalista. "O poder do vento está sob o seu comando" - Janna